Domingo, 7 de Novembro de 2010

(Fotografia de autor desconhecido)

 

Podemos ter apagado quase todas as barreiras que nos separam, mas há uma última que não podemos ignorar. É a última fronteira entre nós: a derradeira linha que nos separa, precisamente aquela que foi desenhada quando tudo o resto desapareceu. Daí em diante, reconstruímo-nos nas suas margens, mas ela permanece, indelével, no exacto sítio onde a traçámos e erguemos. Ela está lá por um motivo. Podemos não olhar para ela durante a maior parte do tempo, mas não podemos agir como se ela lá não estivesse.



publicado por r. às 09:22 | ligação | comentar

mais sobre mim

Fevereiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9



27
28


passado recente

O fim

Os dias do fim (5)

Os dias do fim (4)

Os dias do fim (3)

Os dias do fim (2)

Os dias do fim (1)

A ausência de luz

O controlo

Erro de casting

A memória

passado distante

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

ligações
RSS