Terça-feira, 9 de Novembro de 2010

(Fotografia de autor desconhecido)

 

A gentileza dos estranhos, de alguns estranhos, nunca deixará de me surpreender. Sobretudo naquelas situações em fico a pensar: fez mais por mim do que quem me é mais próximo costuma fazer, sem se preocupar quanto tempo seria necessário, ou quanto dinheiro custaria.  Exactamente o que eu faria, na mesma circunstância, e que não compreendo porque não é uma atitude mais comum.



publicado por r. às 09:34 | ligação | comentar

4 comentários:
De parole a 9 de Novembro de 2010 às 10:05
Revejo-me neste teu post, na verdade além de não compreender porque não é uma atitude comum também não aceito essa "despreocupação" ou "desinteresse" e por vezes até mesmo "má vontade" em estender uma mão...


De r. a 9 de Novembro de 2010 às 22:47
Nem falo de grandes feitos, de aliviar a dor de alguém, de carregar o fardo de outro. Falo das pequenas coisas, das coisas (à primeira vista) insignificantes. Não sei se é má vontade. Prefiro pensar que não: que é apenas inconsciência, algum desinteresse mais ou menos inconsciente.


De parole a 10 de Novembro de 2010 às 12:12
Eu também falo de pequenas coisas, pequenos gestos... boa vontade.


De r. a 10 de Novembro de 2010 às 21:52
É essa a expressão exacta: boa vontade. Ou falta dela, em muitas ocasiões.


Comentar post

mais sobre mim

Fevereiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9



27
28


passado recente

O fim

Os dias do fim (5)

Os dias do fim (4)

Os dias do fim (3)

Os dias do fim (2)

Os dias do fim (1)

A ausência de luz

O controlo

Erro de casting

A memória

passado distante

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

ligações
RSS