Domingo, 12 de Dezembro de 2010

("O Largo do Camões"; fotografia de Jorge Alfar, no Olhares. Todos os direitos reservados)

 

Sempre que por qualquer motivo paro nesta praça, lembro-me dos fins de tarde em que nela esperei por ti, por o prazer de caminhar contigo um bocado enquanto íamos para casa, de ter a tua companhia nem que fosse por alguns minutos apenas. Sabia já nessa altura que era impossível, que em breve partirias e que talvez não te tornasse a ver. Mas esperava por ti à mesma, na praça. Saboreava cada bocadinho contigo como se fosse o último. Deliciava-me com o teu sorriso. E apesar de nada se ter concretizado, e de teres desaparecido de forma mais absoluta do que alguma vez julguei possível, a memória persiste. Ainda hoje me deixa um sabor especial nos lábios, simultaneamente doce e amargo. Doce por tudo o que aconteceu, e que poderia ter acontecido. Amargo por a forma como tudo acabou por se desenrolar. A vida por vezes pode ser particularmente cruel e implacável.



publicado por r. às 09:18 | ligação | comentar

mais sobre mim

Fevereiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9



27
28


passado recente

O fim

Os dias do fim (5)

Os dias do fim (4)

Os dias do fim (3)

Os dias do fim (2)

Os dias do fim (1)

A ausência de luz

O controlo

Erro de casting

A memória

passado distante

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

ligações
RSS