Segunda-feira, 24 de Janeiro de 2011

("Pigeon Point Lighthouse"; fotografia de Andrew, no flickr. Todos os direitos reservados)

 

Acender a luz é um gesto tão simples e tão elementar nas nossas vidas que o fazemos de forma automática: a nossas mãos procuram o interruptor sem que pensemos nisso. No normal decurso dos nossos dias, não pensamos em tudo aquilo que nos é possível apenas por causa de um gesto tão insignificante, e de algo, a electricidade, que se tornou tão natural para nós como a luz do Sol ou o chão que pisamos. É só no momento em que há uma falha de energia que percebemos a extraordinária importância daquilo que demos por adquirido. Como em tudo na vida, o momento da perda consegue abolir todas as percepções daquilo que perdemos. Desse momento em diante, estamos a lidar com e realidade nua e crua. E ela é tão escura por vezes.



publicado por r. às 09:09 | ligação | comentar

mais sobre mim

Fevereiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9



27
28


passado recente

O fim

Os dias do fim (5)

Os dias do fim (4)

Os dias do fim (3)

Os dias do fim (2)

Os dias do fim (1)

A ausência de luz

O controlo

Erro de casting

A memória

passado distante

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

ligações
RSS