Terça-feira, 22 de Fevereiro de 2011

("I like sleeping in your bed..."; fotografia de Jess, no flickr. Todos os direitos reservados)

 

O que custa nos finais, em qualquer final, é o desaparecimento da rotina. É o fim de uma série, mais ou menos longa, de hábitos que coleccionámos ao longo do tempo. O final implica uma ruptura com todos esses hábitos; e no dia que se segue, o primeiro impacto tem origem precisamente no vazio que se instala no lugar de tudo aquilo que fazíamos, mas que já não podemos fazer. Podem ser pequenas coisas; na sua ausência, os mais insignificantes detalhes ganham uma dimensão e uma relevância quase assustadoras.



publicado por r. às 09:27 | ligação | comentar

mais sobre mim

Fevereiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9



27
28


passado recente

O fim

Os dias do fim (5)

Os dias do fim (4)

Os dias do fim (3)

Os dias do fim (2)

Os dias do fim (1)

A ausência de luz

O controlo

Erro de casting

A memória

passado distante

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

ligações
RSS