Sábado, 31 de Julho de 2010

("Through the Looking Glass"; imagem de Jenny Marie, no deviantART. Todos os direitos reservados)

 

Por vezes gostava que algumas coisas fossem mais fáceis. Mas para o serem, era necessário que eu não fosse eu. Que eu fosse diferente, outra pessoa qualquer. Como se me visse do outro lado de um espelho, onde tudo fosse também diferente.



publicado por r. às 09:14 | ligação | comentar

Sexta-feira, 30 de Julho de 2010

("Walking"; fotografia de lova_03, no photobucket. Todos os direitos reservados)

 

A verdade é que toda a companhia do mundo, todos os amigos, todas as relações que possamos ter, não impedem que acabemos por caminhar na mais completa solidão. É assim que deve ser: ao nosso próprio ritmo, no nosso próprio espaço. Passo a passo, procurando as certezas que não temos.



publicado por r. às 09:42 | ligação | comentar

Quinta-feira, 29 de Julho de 2010

("Broadway"; fotografia de Timothy Neesam, no flickr. Todos os direitos reservados)

 

A verdade é que ninguém actua num palco perante um auditório vazio.



publicado por r. às 09:18 | ligação | comentar

Quarta-feira, 28 de Julho de 2010

("Summer Sun - Blue Sky"; fotografia por Tobi, no flickr. Todos os direitos reservados)

 

Em dias assim, a única coisa que importa é a sombra.



publicado por r. às 09:30 | ligação | comentar

Terça-feira, 27 de Julho de 2010

(Fotografia de autor desconhecido)

 

É bom, não é? Quando tudo se torna numa memória apenas, daquelas que, sendo recentes, nos parecem tão distantes. Como se pertencessem a outra vida, passada talvez, ou mesmo outra que não a nossa. Quando somos capazes de tornar a viver outra vez, quando os nossos sentidos finalmente despertam de uma letargia que é sempre demasiado longa.



publicado por r. às 09:33 | ligação | comentar

Segunda-feira, 26 de Julho de 2010

(Fotografia de autor desconhecido)

 

A estação seca não tem forçosamente de ser o Verão. Desta vez começou no Verão, é certo, mas pode muito bem ir até ao Inverno, ou mesmo para além dele. É apenas seca, árida, por vezes escaldante, por vezes gélida. Com vento, regular e forte, a soprar de direcções imprevisíveis. Sempre seco, desolado. A trazer com ele nuvens, e elas, a tão cobiçada chuva, que não chegará a cair. É pena. Gosto tanto do cheiro da terra molhada.



publicado por r. às 09:23 | ligação | comentar

Domingo, 25 de Julho de 2010

(Fotograma de An Education (2009), filme de Lone Scherfig)

 

Há coisas que apenas compreendemos mais tarde - ou tarde de mais, como preferires. Hoje falas da insegurança, e do quão perigosa ela é. Teria sido excelente que tivesses aprendido essa lição a tempo de ser possível fazer algo por nós. Como isso não aconteceu, resta-me desejar que da próxima acertes.



publicado por r. às 09:10 | ligação | comentar

Sábado, 24 de Julho de 2010

(Imagem de autor desconhecido)

 

Baralha e volta a dar.



publicado por r. às 09:34 | ligação | comentar

Sexta-feira, 23 de Julho de 2010

(Fotograma de Lost in Translation (2003), filme de Sophia Coppola)

 

Doravante, o silêncio. Entre nós, as palavras tornaram-se irrelevantes, superficiais, fúteis.



publicado por r. às 09:35 | ligação | comentar

Quinta-feira, 22 de Julho de 2010

(Fotograma de Matrix (1999), filme de Larry e Andy Wachowsky)

 

As tecnologias que hoje em dia utilizamos para comunicar (messenger, blogues, twitter, facebook) prometem muito, mas, feitas as contas, acabam por ter apenas dois grandes propósitos: por um lado, ver o que se passa com quem costumava estar próximo de nós, e passou a estar distante por ressentimento; por outro, serve para as pessoas que se afastaram, ressentidas, passarem mensagens pretensamente subliminares e muito pouco subtis (na internet não há entrelinhas, convém ter isso presente). Nenhum dos propósitos é inocente: o primeiro revela uma tendência vagamente obsessiva que desde o telemóvel tem vindo a ganhar força; o segundo revela um sentimento muito mesquinho, um fútil desejo de mostrar à outra pessoa que afinal estamos bem, que não precisamos dela, que já passou tudo, que a vida sorri e o sol brilha. Ambos os propósitos são um ruído silencioso que servem apenas para nos iludirmos e para alimentarmos os nossos pequenos egos a comida rápida. Dou por mim a desejar: alguém nos desligue por um bocadinho.



publicado por r. às 08:49 | ligação | comentar

mais sobre mim

Fevereiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9



27
28


passado recente

O fim

Os dias do fim (5)

Os dias do fim (4)

Os dias do fim (3)

Os dias do fim (2)

Os dias do fim (1)

A ausência de luz

O controlo

Erro de casting

A memória

passado distante

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

ligações
RSS