Terça-feira, 31 de Agosto de 2010

(Imagem de autor desconhecido)

 

De certa forma, lamento a tua desistência (se é que realmente desististe). O jogo que estávamos a jogar era mais estimulante do que eu alguma vez imaginei. Mas a prazo, o resultado seria trágico, e tu sabe-lo tão bem quanto eu.



publicado por r. às 09:13 | ligação | comentar

Segunda-feira, 30 de Agosto de 2010

(Fotograma de Alice in Wonderland (2010), filme de Tim Burton)

 

A tua quase-paranóia sempre assentou nessa procura do mais pequeno indício que pudesse comprovar as tuas teorias e dar-te razão. A interpretação desses indícios era quase sempre mirabolante, e invariavelmente errada. Mas esse tempo passou. Tudo me deu a entender que eu já faria parte das memórias antigas, e que a tua vida brilhava como um sol, em todo o seu esplendor. Enganei-me. Hoje, gostaria de dizer que me surpreende o teu ataque, mas isso não seria verdade. Sempre foste francamente previsível, e, pior, o teu estado quasi-paranóico não desapareceu. Eu fui apenas quem to permitiu durante largos meses.



publicado por r. às 09:29 | ligação | comentar

Domingo, 29 de Agosto de 2010

("Memories"; fotografia de Anita Suchocka, no deviantArt. Todos os direitos reservados)

 

A vida tem-me proporcionado a oportunidade de eliminar uma série de memórias, eliminando a sua origem e tornando a sua presença diária numa ausência permanente e irreversível. Creio ter sorte nesse aspecto, ao poder dormir, todas as noites, sem nada que me recorde o passado mais sombrio em meu redor. Apenas o mais próximo, mas a manter o ritmo, não por muito mais tempo. Em breve, espero, todo este período da minha vida será apenas um quarto vazio, onde caminharei pela última vez.



publicado por r. às 09:16 | ligação | comentar

Sábado, 28 de Agosto de 2010

(Fotograma de House, M.D. (2004-2010), série de David Shore)

 

A amizade suporta desafios, mas apenas quando esses desafios são espontâneos. E o teu não foi: foi apenas uma provocação, inútil e vagamente mesquinha. Todos o sentimos, mas ninguém to disse. Como todos já nos apercebemos das mudanças que conheceste, da constante frieza, da barreira invisível que ergueste entre tu, eu e o resto do mundo. No meu caso, diria que isso é merecido; mas em termos gerais, diria que o desafio tem vindo a causar demasiados estragos, e não consigo compreender o que te leva a querer isso. Talvez queiras compreender onde estão os limites da amizade. Mas lembra-te de que a linha é fina, e que às escuras é muito fácil ultrapassá-la sem nos apercebermos disso.



publicado por r. às 09:34 | ligação | comentar

Sexta-feira, 27 de Agosto de 2010

(Fotografia de autor desconhecido)

 

Escrever este blogue é quase equivalente a jogar às escondidas. Escrevê-lo durante seis meses, cento e oitenta e três dias seguidos, significa portanto que encontrei um esconderijo muito bom. Nada que não soubesse já: já me olharam nos olhos vezes sem conta, e nunca me viram. "Nunca conhecemos verdadeiramente alguém", diz-se. Sem dúvida.



publicado por r. às 09:00 | ligação | comentar

Quinta-feira, 26 de Agosto de 2010

(Imagem de autoria desconhecida, apesar de a imagem em si ser bastante conhecida)

 

Diria que a destruição da Torre de Babel pela fúria divina terá sido a maior tragédia da humanidade.



publicado por r. às 09:08 | ligação | comentar

Quarta-feira, 25 de Agosto de 2010

(Fotografia de autor desconhecido)

 

Podia fazer algo. Tomar uma atitude. Mas não creio que seja necessário fazê-lo. O tempo, como sempre, encarregar-se-á de resolver o problema. Encarrega-se sempre. É deixá-lo seguir o seu curso, vagaroso mas inexorável. Os ponteiros marcam o compasso. Sentamo-nos e esperamos, enquanto assistimos à lenta dissolução da realidade em memórias.



publicado por r. às 08:51 | ligação | comentar

Terça-feira, 24 de Agosto de 2010

(Fotografia de autor desconhecido)

 

Lembras-te daquela tarde? Chovia. Abrigámo-nos da chuva torrencial debaixo de um toldo verde e gasto, à porta de uma loja que, hoje, ninguém já frequenta. Eu e tu, juntos, sob o toldo e a chuva. Chovia muito. Noutro tempo, talvez a chuva não fosse incómoda. Talvez nos tivéssemos beijado à chuva. Nunca o fizemos (outra promessa nunca cumprida). Naquele dia não demos sequer as mãos. Estavam frias, as minhas. Como nós. Sabíamos já da nossa derrota; e aquele breve momento em que nos abrigámos da chuva em silêncio permitiu-nos compreender a distância que já então nos separava. Ontem, voltou a chover. O cheiro da terra molhada cobriu a cidade. Sempre me fez sentir bem, a terra molhada; mas desta vez aquele cheiro tão agradável trouxe consigo uma nota de tristeza. Senti a tua falta, ontem, mais do que em qualquer outro dia. E, mais do que qualquer outra coisa, lamentei tanto nunca te ter beijado à chuva.



publicado por r. às 09:11 | ligação | comentar

Segunda-feira, 23 de Agosto de 2010

(Fotografia de autor desconhecido)

 

Nem todos os caminhos devem ser percorridos. Por vezes damos por nós a caminhar na direcção de um beco sujo, escuro e sem saída à vista.



publicado por r. às 09:35 | ligação | comentar

Domingo, 22 de Agosto de 2010

(Fotografia de autor desconhecido)

 

Apaixonar-se é mais ou menos equivalente a embebedar-se. Bem sei que a metáfora já foi muito usada, mas não deixa por isso de constituir um bom ponto de vista. A verdade é que, como no álcool, começamos a medo. Provamos e gostamos. Tendemos a abusar. A sensação é inebriante, vicia-nos a progressiva perda de controlo, e quanto mais experimentamos, mais queremos experimentar. Toma-nos uma ousadia e uma imprudência que não nos são naturais. Fazemos coisas que em circunstâncias normais nem sequer ponderaríamos fazer. E quando a sensação acaba, acaba com estrondo, deixa marcas e no dia seguinte, quando acordamos e nos sentimos pessimamente, juramos: nunca mais. Até à próxima vez.



publicado por r. às 09:08 | ligação | comentar

mais sobre mim

Fevereiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9



27
28


passado recente

O fim

Os dias do fim (5)

Os dias do fim (4)

Os dias do fim (3)

Os dias do fim (2)

Os dias do fim (1)

A ausência de luz

O controlo

Erro de casting

A memória

passado distante

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

ligações
RSS