Segunda-feira, 7 de Fevereiro de 2011

(Fotografia de autor desconhecido)

 

É talvez a minha mais antiga ilusão: pensar que, apesar de tudo, seria possível recuperar por completo uma amizade após uma relação amorosa, ou até que seria possível essa amizade fazer esquecer o que em tempos houve. Não é, nunca é: há memórias que permanecem, feridas que não saram; mesmo que não sintamos dor, mesmo que queiramos ignorar as memórias, há sempre algo, uma barreira muito ténue, entre nós e a outra pessoa. A amizade pode regressar e ser sincera, mas será sempre uma sombra ou da amizade que foi, ou da amizade que poderia ter sido. Poucas emoções são tão absolutas como o amor, que não permite qualquer meio-termo: ou é tudo, ou é nada, e quando é nada, o caminho que se segue é feito sempre sobre os destroços. Podemos falar com a outra pessoa, sair com ela rirmos juntos com gosto; mas sabemos sempre que, lá bem no fundo, houve algo que se perdeu e que jamais será recuperado. A verdade é que nunca deixamos de amar quem amámos, pois há uma bocadinho desse amor que fica para sempre, como um espinho debaixo da pele; e se assim é, jamais uma amizade poderá ser inteira e descomprometida.



publicado por r. às 09:16 | ligação

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




mais sobre mim

Fevereiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9



27
28


passado recente

O fim

Os dias do fim (5)

Os dias do fim (4)

Os dias do fim (3)

Os dias do fim (2)

Os dias do fim (1)

A ausência de luz

O controlo

Erro de casting

A memória

passado distante

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

ligações
RSS